Romaria Diocesana Masculina de Jundiaí

Patrimônio Imaterial: Romaria Diocesana Masculina de Jundiaí
Registrado por: Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Jundiaí (COMPAC)
Localização: N/A
Número do Processo: 8801-2/2014-1

Parecer

O referido bem foi inscrito no Livro de Registro dos Saberes e das Celebrações, volume nº 01, fl.003, nº de inscrição 02/2016.

Amparo legal: Lei Complementar Municipal nº 443, de 17 de agosto de 2007,alterada pela Lei Complementar nº564, de 18 de setembro de 2015.

Histórico

A história da romaria começou em 1914, ano da Primeira Guerra Mundial, quando um grupo formado por 13 amigos de Jundiaí seguiu até Pirapora do Bom Jesus para pedir paz ao Senhor Bom Jesus. Nascia então a Romaria Diocesana Masculina de Jundiaí, que passou a ser realizada anualmente e se tornou uma tradição passada de pai para filho. Atualmente, reúne cerca de 1.500 romeiros, que fazem a peregrinação a pé, cavalo, charrete e bicicleta.

É nos ritos que conseguimos identificar os hábitos mais antigos dos povos, que a Romaria Diocesana de Jundiaí completou 100 anos em 2014 e que agrega empenho de centenas de fiéis jundiaienses anualmente em um trabalho que envolve famílias e membros da comunidade em geral.

Trata-se de uma manifestação de fé religiosa que se organiza de forma autônoma, que envolve apelo emocional, que marca o encontro de gerações, que resgata forma de uma determinada cultura caipira e que traz para a cidade pessoas que de alguma forma fazem expressão de sua fé católica.

“Considerada a mais antiga do Estado, a Romaria Diocesana representa um marco histórico para a cidade e Diocese e mostra que Jundiaí é uma cidade de fé”, salienta Geraldo Vendrame Ribeiro, diretor da Associação dos Romeiros de Jundiaí.