População aprova Conexão Cultural nos terminais

Moradora da Vila Cristo, dona Helena Pulga de Campos, 69 anos, foi surpreendida, na manhã deste sábado (23), ao sair do Terminal do Eloy Chaves com o colorido da arte urbana que mais de 40 grafiteiros, profissionais e amadores, puderam expressar no muro de cerca de 70 metros localizados em frente ao terminal.

“Acho fantástica esta ideia de permitir que estes jovens possam mostrar a sua arte, enquanto muitos estão pelas ruas praticando vandalismo”, elogia. A ação de grafitagem foi chamada de “Sopa de Letras” e faz parte do Conexão Cultural, uma iniciativa em conjunto das Unidades de Gestão de Cultura (UGC) e Mobilidade e Transporte (UGMT), que começou no sábado (16), quando a grafitagem aconteceu dentro do terminal.

LEIA TAMBÉM
‘Serata’ embala o Polytheama com o melhor da canção italiana
Cultura vai lançar ‘Geladeiras Literárias’ e busca doações do eletrodoméstico

Helena Pulga elogia a iniciativa e a arte dos grafiteiros

Pai de Murilo, um dos grafiteiros envolvidos na ação, seu Genílson Marques Gama não conseguia esconder o orgulho de saber que a grafitagem de seu filho ficará imortalizada e aberta para todos que passarem pelo local. “É muito bom saber que o poder público não apenas está abrindo espaço para estes artistas urbanos, como cria oportunidade para que possam mostrar os seus trabalhos”, ressalta.

O pai, Genislon e o filho, Murilo, comemoram o espaço criado para mostrar o trabalho

“Esta ação mostra que a integração entre as plataformas resulta na aprovação da população que espera do poder público o cuidado com os equipamentos públicos, para que cada cidadão possa se apropriar do que é seu e evitar que atos de vandalismo voltem a acontecer”, reforça a diretora do Departamento de Transporte Público da UGMT, Ana Paula Silva de Almeida.

O diretor de Cultura, Marcelo Peroni, adianta que o Conexão Cultural envolve outras frentes, como a ocupação de espaços dentro dos terminais. “Nossa proposta é levar diferentes manifestações culturais para os usuários do transporte coletivo”, conta. A gestora de Cultura, Vasti Ferrari Marques, reforça que o programa é mais uma iniciativa de descentralização da arte para espaços onde existe grande circulação de pessoas. “Queremos mostrar para a população um terminal cheio de arte”, finaliza.

Colorido da grafitagem ganha o muro de 70 metros na frente do terminal do Eloy Chaves

Assessoria de Imprensa
Fotos: Fotógrafos PMJ


Publicada em 26/09/2017 ▪ Leia mais sobre , , ,