Cultura faz intervenção sobre a arte na Primeira Infância

O gestor da Unidade de Cultura (UGC), Marcelo Peroni, participou da reunião mensal do Comitê Ampliado de atenção à Primeira Infância (até seis anos), do qual participam 45 representantes das Unidades de Gestão de Assistência e Desenvolvimento Social (UGADS), de Promoção da Saúde (UGPS) e de Educação (UGE). O encontro desta segunda-feira (09) foi realizado no Centro de Convivência, Cultura, Trabalho e Geração de Renda (Cecco), no Parque Continental, e teve como tema a importância da arte na Primeira Infância e como objetivo a qualificação dos profissionais envolvidos.

Peroni apresentou os desafios da prática de Arte como transformadora

LEIA TAMBÉM
Polytheama: abril chega com muitas atrações
Galeria de Arte inaugura exposição “Delas” nesta terça (10)
Domingo no Parque oferece cultura e lazer para a população

Marilsa: “A arte nos toca a ponto de fazer perder o fôlego”

Peroni apresentou o trabalho desenvolvido pela UGC e sua pesquisa sobre teatro. “A Cultura e a Arte nos ajudam a retomar a nossa capacidade criar, de nos maravilharmos e termos novas leituras sobre a vida. Imagino que os profissionais todos tenham consciência da importância da arte no desenvolvimento infantil. Mas quem não passa pela experiência artística, mesmo ciente do seu valor, não é capaz de aplicá-la, ainda mais se menosprezar a inteligência e a capacidade das crianças dessa idade.”

Os participantes também contribuíram com experiências. A supervisora da UGE Marilsa Zago compartilhou a história de quando, trabalhando repertório de artes plásticas com crianças de quatro anos, conseguiu suscitar suspiros de admiração em um dos alunos na exposição. “Para mim isso é arte, quando a música, a literatura e o teatro nos tocam a ponto de fazer perder o fôlego”.

Tamiris de Oliveira compartilhou um história de visita pelo programa Criança Feliz

Já Tamiris de Oliveira, visitadora do programa Criança Feliz, programa do Ministério do Desenvolvimento Social que acompanha o desenvolvimento de crianças em situação de vulnerabilidade, compartilhou o caso de uma das crianças que integram suas visitas. “Um dos domicílios que visitamos tem um cenário problemático, com pessoas com histórico de depressão. O dia em que a atividade integrou musicalidade, a criança respondeu positivamente”, comentou.

Assessoria de Imprensa
Fotos: Fotógrafos PMJ



Publicada em 09/04/2018 ▪ Leia mais sobre , , , ,