Cultura Jundiaí | https://cultura.jundiai.sp.gov.br

Espaço Expressa

A partir de setembro de 2022, o Complexo Fepasa passa a ser chamado de Espaço Expressa.

Seu novo nome e seu novo conceito de ocupação são resultados de uma pesquisa realizada junto a trabalhadores, munícipes e artistas que frequentam o local, bem como toda a população de seu entorno.

Confira os detalhes


Os interessados em desenvolver atividades artísticas no Espaço Expressa podem fazer agendamentos para ensaios, reuniões, espetáculos, fotos e filmagens na Sala dos Relógios, Sala B1, Sala Jundiaí, Sala Hermeto Pascoal, Área de Exposições, Área Parque Central.


Com área total de 111 mil metros quadrados, sendo 46 mil deles de área construída, o Espaço Expressa teve sua construção iniciada na década de 1890, pela Companhia Paulista de Estradas de Ferro, a fim de abrigar as oficinas de locomotivas à vapor da empresa. A princípio, as oficinas da empresa localizavam-se em Campinas, mas devido ao tamanho limitado do terreno e a um surto de febre amarela que atingiu aquele Município, a empresa decidiu transferir suas oficinas para Jundiaí.

Ao longo dos anos, o prédio, com 34 edificações, passou por diversas transformações e intervenções, devido às modificações desenvolvidas pela Companhia e aos avanços tecnológicos do setor, como a implantação da tração elétrica aos veículos. Na década de 1970, com a incorporação da Companhia à Fepasa (Ferrovia Paulista S/A), empresa estatal paulista de transporte ferroviário de cargas e de passageiros, o Complexo sofreu as suas últimas intervenções significativas, que deram às suas instalações a configuração com que o conhecemos na atualidade, além da mudança de seu nome.

Com a falência da Fepasa, sua inserção no programa de desestatizações do início da década de 1990 e a posterior privatização da malha ferroviária, as antigas oficinas da Companhia Paulista foram adquiridas pela Prefeitura em 2001. No período entre 2002 a 2013, o espaço ficou sob a gestão da (à época) Secretaria Municipal de Educação e Esportes, passando à responsabilidade da Secretaria Municipal de Cultura, em 2014, e à Unidade de Gestão de Cultura (UGC), em 2017, ano em que também a sede da UGC foi transferida para o espaço.

O Expressa é o único patrimônio material do Município com tombamento em nível nacional, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Atualmente, ocupam o Expressa diversas Unidades de Gestão da Prefeitura, como Cultura (UGC), Mobilidade e Transporte (UGMT); além do Museu Ferroviário, do Arquivo Histórico de Jundiaí, da Guarda Municipal de Jundiaí (GMJ), da Fundação Municipal de Ação Social (Fumas), do Poupatempo e da Faculdade de Tecnologia de Jundiaí (Fatec) Deputado Ary Fossen.

O espaço conta ainda com as salas dos Relógios, B1 e Hermeto Pascoal, voltadas para ensaios, reuniões e encontros; da Sala Jundiaí, com 200 lugares, além de um espaço reservado a exposições.

Confira as exposições realizadas no Expressa nos últimos anos:


Um breve histórico sobre a ferrovia e o Município

A ideia de se construir uma estrada de ferro pelo interior do Estado de São Paulo surgiu na década de 1860, quando a São Paulo Railway Company, que ligava Santos a Jundiaí, declarou-se impossibilitada de prolongar seus trilhos até Campinas. Atendendo ao progresso da lavoura cafeeira, um grupo de fazendeiros paulistas assumiu a empreitada pela construção, fundando, em 1867, a Companhia Paulista de Estradas de Ferro, após reunião com o presidente da então Província de São Paulo, o conselheiro Joaquim Saldanha Marinho.

A primeira assembleia geral com os acionistas da companhia foi realizada em 30 de janeiro de 1868, no Palácio do Governo da Província, quando foram aprovados seus estatutos e eleita a diretoria provisória. A eleição da primeira diretoria definitiva foi realizada no ano seguinte.

As obras de construção das linhas foram iniciadas em 15 de março de 1870 e já em 11 de agosto de 1872 realizou-se a viagem inaugural de Jundiaí a Campinas. As obras na linha chegaram às margens do rio Mogi-Guaçu em 1880, a partir de quando a companhia passou a explorar também a navegação fluvial, em extensão de 200 quilômetros entre os municípios de Porto Ferreira e Pontal. A empresa também mudou de nome, passando a se chamar Companhia Paulista de Vias e Fluviaes. O serviço seguiu até 1911. Com a sua interrupção, a empresa passou a se chamar Companhia Paulista de Estradas de Ferro.

Em 1892 a empresa adquiriu a Estrada de Ferro Rio Claro e Araraquara. Já em 1910 passaram a integrar a frota os carros restaurante e também inaugurados os de luxo, tipo “pullman”. As melhorias inauguraram período em que a empresa ostentava imagem de organização, pontualidade e pioneirismo.

Pioneirismo esse que pode ser identificado em diversos fatos ligados. À presença da Companhia Paulista e ao pioneirismo de Jundiaí no transporte ferroviário estão vinculados fatos como: a viagem do primeiro trem com tração elétrica na América do Sul, em 1922; a fundação da Caixa de Aposentadorias e Pensões dos Ferroviários, a primeira providência social no País, em 1923; a criação de escola profissionalizante para os funcionários, em 1901, que passou a ser denominada Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAIS) em 1936.

Iniciativas pioneiras vinculadas à Companhia também podem ser identificadas em inovações para Jundiaí. Merecem destaque a criação do primeiro Horto Florestal no Município, em 1903, tendo como primeiro responsável o engenheiro agrônomo Edmundo Navarro de Andrade, que viabilizou a importação de eucaliptos australianos para reflorestamento no Brasil; a construção do primeiro núcleo de casas populares do Município, em área próxima ao cemitério municipal Nossa Senhora do Desterro; a integração de membros da Companhia à primeira direção do Gabinete de Leitura Ruy Barbosa; a fundação do Paulista Futebol Clube, como time fundado pelos funcionários para disputar campeonatos amadores; e a criação do Grêmio Recreativo, atualmente conhecido como Grêmio C.P..

A década de 1910 ficou também marcada pela substituição da tração a vapor pela elétrica nos trens da companhia. A dificuldade na obtenção de combustível a preço conveniente fez com que a presidência da empresa, à época encabeçada pelo Conselheiro Antônio da Silva Prado, ordenasse que a equipe de engenheiros iniciasse, em 1916, pesquisa interna para substituição da matriz energética.

Adaptando as experiências já em andamento nos Estados Unidos e na Europa à realidade local e aos estudos de corrente elétrica e voltagem mais convenientes para o país, a equipe técnica pôde finalmente, em dezembro de 1919, apresentar à presidência o modelo posteriormente implantado e que tanto beneficiou e dinamizou o serviço oferecido pela companhia.

Após o auge de suas operações na década de 1940, a ferrovia viu após a Segunda Guerra Mundial o início de seu declínio enquanto modelo de transporte no País, resultado da queda da produção cafeeira no Estado e da priorização pelo modelo rodoviário. O Estado foi aos poucos se tornando o maior acionista da então criada, em 1971, Fepasa – Ferrovia Paulista S.A, que incorporou a Companhia Paulista Estradas de Ferro e da qual faziam também parte a Companhia Mogiana de Estradas de Ferro e as Estradas de Ferro Sorocabana, São Paulo – Minas e Araraquara.

Após decretada a falência da empresa, a mesma foi inserida, em 1992, pelo programa de Desestatização da malha ferroviária, até ser privatizada através da Rede Ferroviária Federal S/A (RFFSA).


Expressa
Avenida União dos Ferroviários, 1760, Centro
Telefone: (11) 4589-6800
E-mail: agendamento.expressa@jundiai.sp.gov.br