1º Festival de Música de Jundiaí

Workshops

Criatividade e improvisação na Música Popular, com Fábio Torres

Data: 29 de julho (sexta-feira)

Horário: 16h

Local: Complexo Fepasa (avenida União dos Ferroviários, 1760)

50 vagas

Faixa etária: a partir de 14 anos

Inscrições on-line gratuitas

Sinopse: O pianista Fabio Torres abordará o desenvolvimento das habilidades criativas na música, seja na improvisação, seja na composição. Quais os aspectos técnico, rítmico, harmônico e melódico que cada músico deve dominar para libertar sua criatividade? A aula atende a todos instrumentistas e também cantores por não se fixar especificamente em nenhum instrumento. Não é exigido um nível específico dos alunos, sendo os alunos mais avançados convidados a trazer seus instrumentos e tocar com o professor. Os alunos de nível mais básico podem participar como ouvintes.

Fábio Torres foi vencedor de dois prêmios Grammy, pianista do Trio Corrente, tem uma atuação reconhecida na música instrumental brasileira e na música popular em geral. O músico iniciou seus estudos ainda aos 5 anos de idade no Conservatório musical Villa Lobos, em Osasco e acabou concluindo o curso de piano erudito no Conservatório Beethoven, em São Paulo, aos 18 anos. Posteriormente formou-se bacharel em Composição pela ECA-USP. Entre os prêmios conquistados pelo músico estão o Projeto Nascente em 1993, o Grammy Awards em 2013 e o Latin Grammy em 2014. Foi ainda finalista do 1°Prêmio Visa em 1998. Após uma intensa colaboração com grandes artistas da MPB e do Jazz, tais como Rosa Passos, Leni Andrade, Raul de Souza, Ron Carter, Paquito D’Rivera e muitos outros, o pianista iniciou uma bem sucedida carreira internacional como solista como atestam seus 04 álbuns autorais e também seus 20 anos com o Trio Corrente.


Perceber, Emitir e Compor, com Cláudio Nucci

Data: 30 de julho (sábado)

Horário: 14h

Local: Complexo Fepasa (avenida União dos Ferroviários, 1760)

50 vagas

Faixa etária: a partir de 14 anos

Inscrições on-line gratuitas

Este workshop propõe um desenvolvimento da percepção musical para músicos ou interessados em música e dá também uma ideia do que seja compor uma melodia, uma letra, fazer uma canção, enfim, montar conjuntos a partir de células, fragmentos. Traz ainda o sentido do grande valor que tem a expressão de cada um. O aprendizado musical intuitivo e prático favorece o chamado “ouvido musical”. Cantar ou tocar um instrumento “de ouvido” como se diz, é um caminho que facilita a compreensão da música e quando isso é estimulado, até os conceitos elaborados na teoria musical ficam mais orgânicos e fáceis de compreender. Claudio Nucci já musicalizou crianças e adolescentes em escolas no Rio de Janeiro dos anos 80 e ministrou oficinas de prática de conjunto musical para universitários cariocas, nos anos 90.

Cláudio Nucci fez parte do grupo “Semente” com Zé Luís Oliveira, Mário Adnet, Cláudio Infante, Márcio Resende, Paulinho Soledade e Ricardo Mará. O “Semente” contou, em seu curso breve mas importante, com participações de amigos da cena musical carioca, como Alberto Rosenblit, Mú Carvalho, Candinho, e os ex integrantes do grupo “Vímana”, Lobão e Lulu Santos. Nessa época foi que fez também alguns shows com o grupo Cantares, onde trabalharam Zé Renato e Juca Filho, estreitando os laços de parceria. Em 1978 fundou com Zé Renato, Maurício Maestro e David Tygel, o quarteto vocal Boca Livre, que lançou com grande sucesso seu álbum de estreia. Em 1980 gravou seu primeiro disco solo pela EMI Odeon (o Compacto “Quero Quero”), depois seu primeiro álbum, um LP. Após isto, outros dois discos em 1983 (“Volta e Vai”) e 1984 (“Melhor de Três”). Em 1985, fez um disco em dupla com Zé Renato (“Pelo Sim, Pelo Não”). Em 1988, também com Zé Renato e mais: Ricardo Silveira, Zé Nogueira, Marcos Ariel, Jurim Moreira e João Baptista, fundou a banda “Zil”, que lançou um álbum e voltou às atividades recentemente. Lançou com o grupo “Nós e Voz, o CD “Ê Boi” e depois outros álbuns solos, como “Casa da Lua Cheia”, “Ao Mestre, Com Carinho”, “Noel, Nelson & Nucci” e “Claudio Nucci Revisita Caymmi”. Esteve novamente em outra formação do Boca Livre, participando do CD “Mundo”, de Ruben Blades, de 2000 a 2003. Como intérprete convidado, Nucci participou de discos de Edu Lobo e Chico Buarque, Guinga, SongBooks de Dorival Caymmi, Tom Jobim, Ary Barroso, Djavan e Chico Buarque, bem como no CD premiado com o Grammy-93, “Brasileiro”, de Sergio Mendes, ao lado de Guinga e Carlinhos Brown. Como compositor, já foi interpretado por Nana Caymmi, Emilio Santiago, Simone, Eliane Elias, Roupa Nova, Cesar Camargo Mariano, Zizi Possi e outros.


Áudio Profissional para Músicos, com Lucas Carregari de Vitto (Xuxu)

Data: 31 de julho (domingo)

Horário: 11h

Local: Complexo Fepasa (avenida União dos Ferroviários, 1760)

80 vagas

Faixa etária: a partir de 18 anos

Inscrições on-line gratuitas

Com anos de experiência, Lucas Xuxu aborda aspectos relacionados aos procedimentos seguidos no anteceder de um show ( Passagem de Som ), A Execução ( Espetáculo) e Encerramento de uma apresentação, visando extrair a melhor qualidade musical, harmonia e procedimentos Entendendo o processo de Sound Check; O que cabe ao músico e a equipe técnica Comunicação entre músicos e técnicos, termos técnicos, códigos de comunicação dentro de um show; Como através de uma comunicação mais direcionada a parte técnica, extrair resultados mais satisfatórios Passagem de Som Produtiva: Tempo x Qualidade; Otimização da dinâmica do Sound Check Postura Profissional: Postura Equipe Técnica x Músicos / Músicos x Equipe Técnica Hora de Executar : A hora do Show chegou e agora ? O início de um espetáculo traz sempre uma grande apreensão e adrenalina como se comportar perante a esse momento A perspectiva Técnica e Artística perante a o resultado final do espetáculo; Análise de todo processo e saber reconhecer pontos positivos e negativos.

Xuxu é um reconhecido técnico de mixagem de som, tem 40 anos e é natural de Jaboticabal, São Paulo. Teve a oportunidade de entrar em contato com o universo do áudio em Jundiaí, na igreja em que frequentava com seus pais, local em que pode aprender muitas coisas, entretanto, frente sua paixão, percebeu que não era suficiente e se empenhou para trabalhar em uma empresa de locação profissional de equipamentos de áudio. Essa empresa era a Toower Eventos, então presidida por Reinaldo Picchi, e foi ali que Lucas desenvolveu suas habilidades ao longo de 6 anos, obtendo muito crescimento técnico, aliado ao desejo de desenvolver um trabalho de excelência, além de ampliar seu repertório através de grandes nomes da música. Todo esse processo levou Lucas a uma nova fase profissional e aos 20 anos começou a trabalhar com algumas bandas como Raízes e Rasta, Kabana Roots e Dr. Malcom Montgomery. Em 2004 passa a integrar a equipe técnica da dupla sertaneja Zé Henrique e Gabriel. Um trabalho que, além de abrir muitas portas, propiciou grande aprendizado e especialização em áudio profissional e suas nuances. Em 2009, Lucas começou a trabalhar com a dupla Edson e Hudson, permanecendo como os cantores durante 3 anos. Em paralelo aos shows, começou a desenvolver trabalhos de mixagem ao vivo e também captação de Discos e DVDs. Esse trabalho gerou várias novas oportunidades com grandes nomes da música brasileira como Seu Jorge, Daniela Mercury, Jorge e Matheus, Mateus e Kauan, Edson e Hudson, Paula Fernandes, Henrique e Juliano, Bruno e Marrone, Leonardo, Turma do Pagode, Zezé de Camargo e Luciano, Gustavo Lima, Chitãozinho e Xororó, Maiara e Maraisa, Daniel, Zé Henrique e Gabriel, Projota, Luccas Carlos. Estes foram alguns exemplos, entre tantos outros, que Lucas teve o prazer em trabalhar. Hoje sua marca supera a casa dos 100 projetos. Entre eles vale destacar a participação no Projeto “Todos os Cantos” da cantora Marília Mendonça, premiado com o Grammy Latino. Hoje Lucas trabalha com o cantor Jão, que se destaca no seguimento Pop, uma experiência que, para o técnico, tem sido incrível, uma vez que oportunizou levar seu trabalho a diferentes níveis, como por exemplo, abrir o show da banda americana Marron Five, além de participar de grandes festivais da música internacional como Lollapalooza, Mita, Rock in Rio, Spanta, Planeta Atlântida, entre outros.


O 1º Festival de Música de Jundiaí tem apoio institucional do Sesi e parceria com a Fundação Padre Anchieta/Rádio Cultura SP.

Para receber o público, o Complexo Fepasa contará com estrutura especial, como estacionamento gratuito, área de alimentação (com os permissionários dos varejões noturnos) e as barracas dos artesãos que integram o programa Jundiaí Feito à Mão.


Notícias sobre o Festival de Música

Mais notícias »
Apoio e Realização