4º Festeju - Festival de Teatro de Jundiaí

Festeju 2021

O Festival de Teatro de Jundiaí (Festeju) é uma iniciativa da Unidade de Gestão de Cultura da Prefeitura de Jundiaí.

Existente desde 2017, o festival está em sua 4ª edição, com o objetivo não apenas de fomentar a atividade artística na linguagem do Teatro, como também de estimular a criação de público e de promover o intercâmbio de talentos e experiências dos artistas da cidade com os de fora.

Além da programação de espetáculos nas Cenas Profissional e Amadora nos tradicionais palcos da cidade, como o Teatro Polytheama e a Sala Jundiaí do Complexo Fepasa, uma proposta inusitada do Festeju é quanto aos locais de apresentação. Nesse sentido, a Praça Governador Pedro de Toledo (Praça da Matriz) e outras salas do Complexo Fepasa, como a Sala dos Relógios, também já receberam seus espetáculos.

Sem contar também as oficinas gratuitas com profissionais de renome, que sempre integraram as programações do Festival nos últimos anos.

Por conta da pandemia, a 4ª edição do Festeju será realizada em janeiro de 2021, de modo online, pelo canal da Cultura no YouTube, como forma de enfrentamento à pandemia e de prestação de serviço à população, através da criação de conteúdos online artísticos de qualidade.

Confira a programação do Festeju 2021:

Abertura

12 de janeiro
(terça-feira)

Abertura do 4º Festeju

Oficina “O Teatro em Modo Digital”
Oficineiro: Ivam Cabral
Horário: 20h
Sinopse:
Nesse encontro, Ivam Cabral abordará, em 90 minutos, tópicos relativos à arte em quarentena e ao teatro em isolamento social. Enquanto não podemos viver da aglomeração – território tão querido dos artistas, dos agentes e produtores culturais –, o que é possível fazer? Como conduzir o ato criativo em tempos em que a questão da sobrevivência se torna primordial?

Ivam Cabral é cofundador da Cia. de Teatro Os Satyros e diretor executivo da SP Escola de Teatro, e foi um dos pioneiros a levar o teatro para o terreno digital. Já no início do isolamento social, precisamente no dia 20 de março, estreou no Instagram e no YouTube seu espetáculo “Todos os Sonhos do Mundo”, que permaneceu em cena ininterruptamente até dezembro, realizando mais de 70 sessões em modo digital. Nessa mesma época, com seu coletivo teatral, produziu diversos espetáculos, apresentados no Espaço Digital dos Satyros, criado também durante a quarentena.

Cena Amadora

13 de janeiro
(quarta-feira)

Cena Amadora

“O juiz de paz na roça”
Cia. Teatral Ronaumrose
Horário: 20h

Classificação etária: Livre
Sinopse: “Juiz de Paz na Roça” é uma obra teatral de comédia de costumes escrita por Martins Pena e se passa na zona rural no interior do Brasil. A obra aborda com humor e sátira o jeito particular de ser da gente roceira do Brasil no século 19, focando as cenas em uma família da roça e no cotidiano de um juiz de paz. Neste ambiente explora uma série de situações em que transbordam a simplicidade e inocência. A peça traz ainda em seu enredo a expertise política, sendo esta sua principal temática. A obra é também um marco da Literatura Brasileira, e matéria obrigatória de vestibulares de todo país, uma vez que oferece aos vestibulandos e demais públicos o conhecimento literário de forma lúdica e prazerosa, popularizando e democratizando o acesso à cultura.

14 de janeiro
(quinta-feira)

Cena Amadora

“O grande castelo”
Perspectiva
Horário: 20h

Classificação etária: Livre
Sinopse: No grande castelo há sempre diversão, músicas, aventura e enigmas. Neste verão, a confusão está armada por conta da chegada dos animais Carlota Joaquina, Pettit, Brutus, Tonto e Caco, que fugiram dos desafios da cidade e estão à procura de um novo lar; também por conta dos alunos Ré e Mi, que preparam uma poção mágica; e por Nefasto e Diabrete, que certamente não deixarão de aprontar com os visitantes.

15 de janeiro
(sexta-feira)

Cena Amadora

“O caixeiro da taverna”
Grupo Teatro Sérgio Mamberti
Horário: 20h

Classificação etária: Livre
Sinopse:
“O caixeiro da taverna” traz uma trama com diversos personagens. Manuel Pacheco, o Caixeiro, tem como maior sonho ser sócio ao lado de sua ama, que morre de amores por ele. Já Francisco vive reclamando de sua profissão para o amigo e, mesmo interessado em se casar com Angélica, deixará a fidelidade ao amigo falar mais alto. Deolinda, casada em segredo com Manuel, logo colocará nosso Caixeiro numa encruzilhada, exigindo dele o reconhecimento público de seu matrimônio. Dona Angélica, que, todavia, não é boba e logo começará a desconfiar de certos “boatos” sobre a vida de Manuel. E Quintino, militar rude e selvagem, que é o irmão de Deolinda e morre de ciúmes da irmã ao simples desconfiar de que ela esteja envolvida em algum relacionamento.

16 de janeiro
(sábado)

Cena Amadora

“Esculashow”
Esculashow
Horário: 20h

Classificação etária: Livre
Sinopse:
Espetáculo teatral de humor dividido em atos, “Esculashow” mostra a vida e os pensamentos de Dilurdes Vancarthyê (Fábio Gouveia), uma doméstica fora do meio, e Lulu Boca de Mel (Babu Energia), atriz e modelo totalmente do meio, e seus conflitos com outros personagens que vivem às avessas com o que acontece no Brasil. Debochadas, divertidas e irreverentes, fazem críticas do momento atual. De personalidades fortes e humor ácido, elas nos levam a rir e ao mesmo tempo refletir sobre o comportamento humano.

Cena Profissional

17 de janeiro
(domingo)

Cena Profissional

“Rumpelstiltskin – Nome diacho! Palavra difícil de dizer”
Cia. Paulista de Artes
Horário: 16h30

Classificação etária: Livre
Sinopse:
Sejam bem-vindos a uma história da história. Seis cavaleiros que carregam memórias de onde passam contam sobre Quitéria, a menina que se tornou rainha, sendo vítima de uma mentira. Desesperada pelo ocorrido, se depara toda noite com um ser que põe à prova seu medo e sua coragem, levando-a a seu grito de liberdade. O espetáculo, que traz também como inspiração manifestações folclóricas ressignificadas para o teatro, busca a discussão sobre opressão em cima da figura feminina, a mentira e o cerceamento de direitos e liberdade.

20 de janeiro
(quarta-feira)

Cena Profissional

“A Pensão”
Cia. Caça Ventos de Artes
Horário: 20h

Classificação etária: Livre
Sinopse: Baseado em esquetes da tradição circense, os números são calçados na clássica relação da dupla de palhaços branco e augusto. A partir de uma investigação através da poética do palhaço, a peça conta a história de dois desempregados que são despejados. Sem casa para morar e sem dinheiro, ambos decidem ir para uma pensão, e por uma confusão do destino, ou deveria dizer por uma confusão do Sr. Oswaldo, o dono da pensão, acabam se conhecendo e criando um grande vínculo de amizade. Em meio a toda confusão os palhaços levantam reflexões sobre o cenário político do nosso país.

21 de janeiro
(quinta-feira)

Cena Profissional

“Nem tudo foram flores”*
Cia. Um do Outro de Teatro
Horário: 20h
(*Classificação Indicativa: 16 anos)
Sinopse:
Janeiro de 1968. Cidade de São Paulo: efervescência cultural, revoluções por todo o Mundo, Guerra do Vietnã, Beatles e Rolling Stones, e o Brasil sob um golpe de Estado que levou os militares ao poder. É nesse clima de medo e luta pela liberdade que Rita, uma jovem vinda do interior, chega à Capital para fazer faculdade de Educação Artística. Vai morar com Marta, uma jornalista recém-formada vinda da mesma cidade, que foi mandada para São Paulo por sua família para ocultar sua homossexualidade. O espetáculo mostra a vida dessas duas jovens mulheres durante os primeiros anos de chumbo da Ditadura Militar. Passando por acontecimentos reais desse passado trágico de nossa história, o espetáculo mostra as transformações em suas vidas. Da Declaração do AI-5, passando pela “limpeza” dos homossexuais das ruas do centro de São Paulo até o ponto em que qualquer pessoa poderia ser confundida com uma “terrorista” e perseguida em nome da Segurança Nacional. Sentimentos se cruzam, amores são descobertos, fraquezas são exploradas e vidas se perdem, afinal nem tudo floresceu no meio do caos da Repressão.

22 de janeiro
(sexta-feira)

Cena Profissional

“Quando as máquinas param”*
Independente
Horário: 20h
(*Classificação Indicativa: 16 anos)
Sinopse:
Em “Quando as máquinas param”, Plínio Marcos traduz as angústias de um casamento perfeito, fragilizado pelo desemprego do marido. Em meio a ondas de demissões e à dificuldade de se conseguir emprego devido à baixa qualificação, sua única distração é jogar bola com os meninos nas ruas.

23 de janeiro
(sábado)

Cena Profissional

“Circo contrata”
Trupe Fans
Horário: 16h30

Classificação etária: Livre
Sinopse:
O grande sonho de Catorze (Tai Montana) é trabalhar em um circo para poder comer pipoca de graça. E ao conhecer o trambiqueiro Ás de Copas (Cadu Gouvea), Catorze vê seu sonho se tornar realidade, ao dar seus R$5,00 como investimento. Ás de Copas, então, anuncia que o circo está prestes a abrir e está contratando palhaços, bailarinos, mágicos e arremessadores de facas. Catorze se candidata a todas as vagas na esperança de fazer parte deste grande empreendimento, mas parece que nunca está à altura, pois Ás de Copas contrata sempre alguém melhor. Afinal, será que o grande sonho de Catorze nunca se realizará?

24 de janeiro
(domingo)

Cena Profissional

“Lechuga Circus”
Cia. Tramp de Palhaços
Horário: 16h30

Classificação etária: Livre
Sinopse: Chega o circo à cidade e três funcionários começam a preparar o picadeiro para o espetáculo. Ao encontrarem um baú, divertem-se com as magníficas situações que aparecem a partir dos objetos guardados nele, realizando assim o sonho de poder fazer parte deste fantástico mundo dos espetáculos circenses.


Notícias sobre o Festeju

Mais notícias »
Apoio e Realização Política de privacidade