Cultura Jundiaí | https://cultura.jundiai.sp.gov.br

Música

Bem Brasil
Artistas: Abimael Reis (Guitarrista), Adriel Martins (Pianista), Beatriz Zago Nunes (Baterista) e Eliana Zago (Vocal).

Repertório: Wave (Tom Jobim), Samurai (Djavan) Upa Neguinho (Edu Lobo e Gianfrancesco Guarnieri e Garota de Ipanema (Tom Jobim).

Piano Solo por Tato Andreatta – O Piano Popular Brasileiro
Artista: Alberto Moreira Andreatta

Repertório: Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga, Radamés Gnatalli, Tom Jobim, Pixinguinha, entre outros.

Rock & Vatapá
Brasil in Conserto
Breno D’Assis (vocalista), Marcos Antonio Catossi Junior (bateria), Rodrigo Gonçalves da Silva (baixo), Luis Carlos Jacinto (guitarra), Luis Eduardo Cardoso Carreiro (viola caipira), Juliano de Oliveira (técnico de som) e Alex Alexandre da Rosa (cinegrafista)

Sinopse: A mistura sempre foi uma característica da Brasil in Conserto e este show celebra exatamente esta diversidade sonora. O rock é a referência musical dos integrantes e para contextualizar as influências rítmicas, em sua maioria nordestinas, que agregam ao som da Brasil in Conserto, a banda escolheu o vatapá, um prato típico do norte e nordeste do Brasil, trazido ao país pelos africanos escravizados nos navios negreiros a partir do século XVI. É com esta culinária cheia de sabor, história e representatividade, que a Brasil in Conserto apresenta o seu novo show, ROCK & VATAPÁ. A apresentação conta com músicas dos dois primeiros discos da banda, Alicerce (2012) e #brasilinconserto (2018), este último que contou com a produção musical e direção artística de Oswaldo Montenegro. Somadas ao repertório autoral, a banda interpreta canções de grandes nomes da música brasileira, os nordestinos Gilberto Gil, Lenine, Zé Ramalho e o rei do baião, Luis Gonzaga, além de clássicos do Skank, Tim Maia, Milton Nascimento, Paralamas e Biquini Cavadão. A turnê ROCK & VATAPÁ ganhará novos “temperos” constantemente, pois a Brasil in Conserto fará, ao longo de sua duração, lançamentos de novas músicas que serão incluídas ao repertório. Neste primeiro show, a banda apresenta o single O Meu Amor é Seu, com participação do rapper Flávio Renegado. Ativista social e legítimo defensor da música negra brasileira, o feat com a Brasil in Conserto é mais um na carreira do rapper, que já teve parcerias com Samuel Rosa, Rogério Flausino, Bebel Gilberto, Anitta e o mais recente lançamento com Elza Soares. No single O Meu Amor é Seu, a Brasil in Conserto fala das várias formas de amar o que quer que seja, sem limitações ou restrições, onde o importante é o amor pelo que te faz feliz. A música será acompanhada por um videoclipe no estilo cinema mudo, com roteiro divertido e criativo, bem ao estilo Brasil in Conserto.

Breno D’Assis – Filho meu
Breno D’Assis (voz e violão)

Sinopse: Após 12 anos à frente da banda Brasil in Conserto, o cantor e compositor Breno D’Assis apresenta o seu primeiro show solo. Enquanto a Brasil in Conserto apresenta um rock nacional com influências de ritmos nordestinos, misturando diversos instrumentos em sua sonoridade, a carreira solo de Breno D’Assis traz o lado calmo e poético do músico de 35 anos. O projeto busca valorizar a poesia e a simplicidade das canções, por isso, o show acontece em formato acústico, voz e violão. A apresentação leva o nome da música de estreia da carreira solo, Filho Meu, composta em homenagem ao seu filho Théo, o primeiro do cantor. No repertório, Breno apresenta outras canções de sua autoria, incluindo músicas lançadas juntamente com a banda Brasil in Conserto. O músico faz ainda interpretações de canções já consagradas que influenciam sua sonoridade. Este edital é a oportunidade de fazer sua primeira apresentação solo, já que a estreia foi interrompida pelo inicio da pandemia da COVID-19.

Música é Vida
Rhanna

Sinopse: Nesta apresentação on-line, a artista apresenta duas músicas autorais “Anarruanda” e “Receios” de seu catálogo musical em vídeoclipe e lyric vídeo, com apresentação de como foi o trabalho de produção musical.

Roda a Pino – Pocket Show Clarena
Projeto Clarena: Gustavo Henrique Vieira (cantor e compositor), Daniel Zanna (compositor, cantor, violinista), Everton Francisco Braga (cordas, escaleta e voz), Glauber Mariano (percussão) e Leopoldo Dias (percussão)

Sinopse: “Roda a Pino” traz canções inéditas da banda assim como sua formação. A apresentação propõe uma experiência de potencial transformador no campo sócio cultural, despertando a importância de manter viva as raízes de nossa cultura. As harmonias de vozes e violão são permeadas por elaborados arranjos e influências da música brasileira. Nesse pocket show com seis músicas, a banda explora ritmos como ijexá, valsa, barravento, samba, e a própria MPB.

Questão de vida e morte
Daniel Motta (cantor), Guilherme Sai (diretor de arte), Heloísa Silva (produção), Laura Patriarca (assistente de direção) e Rafael Rosa (produção)

Sinopse: Este projeto propõe diálogos dos dias de hoje com a música instrumental para violão solo à partir de músicas compostas com a temática de Vida e Morte. Serão apresentadas 4 músicas de diferentes períodos históricos. Uma introdução de cada música será feita pelo próprio musico contextualizando os autores, as obras, as referências presentes nas músicas que permitem este diálogo.

Floco – In The House
Vinicius Faccina

Sinopse: Floco “In The House” é um show em que o artista traz suas melhores músicas, em projeto com muita carisma e energia ao público, trazendo mensagens de esperança e muita música boa.

Nill só os clássicos
Davi Rezaqui de Andrade – Nill (voz e proponente), Luiz Felipe Soares dos Santos – DJ Buck (DJ e beatmaker) e William Pereira Mota Silva – Mano Will (segunda voz)

Sinopse: “Nill só os os clássicos” é o reencontro de um artista preto e de origem humilde com seus trabalhos que retratam sua evolução como músico na cena musical e independente do Brasil. A cada álbum concebido por Nill, questões sociais, raciais, familiares e amorosas, se juntam a diferentes referências sonoras e visuais colocando-o como um artista plural e afrofuturista.

Ganga em Crônica Morta
Everton Francisco Braga – Ganga (proponente, voz, violão, viola, guitarra e baixo) e Glauber Mariano e Leopoldo Dias (percussão)

Sinopse: Ganga em Crônica Morta é inspirado no processo criativo de Everton Braga em que o artista utiliza crônicas de jornais e uma máquina de escrever como instrumento musical e de reflexão, criando sons percussivos e concebendo canções que tratam de temas como infância, transporte público, moradia, pobreza, trabalho, sonhos, arte e natureza.

Flash 4Music
Banda Flash Beat – Emily Pessoto Finati (vocalista, tecladista, backing vocal, arranjo e produção), Marcelo Bacochina (guitarrista e edição de áudio e vídeo), Cleide Aparecida Lisboa (vocalista e backing vocal), Miguel Povreslo Junior (vocalista e backing vocal), Ricardo Caetano de Souza (contrabaixista) e Ricardo de Oliveira Damas (baterista)

Sinopse: “Flash 4Music” é um projeto realizado pela Banda Flash Beat, que consiste num resgate de quatro canções da década de 80, consagradas no segmento Pop Music Internacional e Nacional, numa interpretação repleta de ricas harmonias vocais e um instrumental surpreendente.

Da cidade ao sertão
Francisco Jonathan de Oliveira Rolim

Sinopse: Da cidade ao sertão representa muito da cultura brasileira, de nossos ritmos, de nosso imaginário. Ainda presos no conflito entre os brasis urbano e rural, nós sentimos nas composições autorais e interpretações de Johnny Rolim nossas tradições múltiplas e fortes em disputa com a modernização desejada mas violenta. A natureza, os afetos, os sentimentos e os sonhos conformam a música popular brasileira que Johnny Rolim recupera e reflete nesta apresentação musical inédita, autenticamente brasileira.

Gabriela Nunes Interpreta Marisa Monte
Gabriela Nunes

Sinopse: Gabriela Nunes cantora e atriz natural de Campinas-SP formou-se Bacharel em Música Popular, modalidade Voz, pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Foi muito influenciada, desde sua infância, por grandes mulheres da música popular brasileira como Elis Regina, Gal Costa, Clara Nunes, Maria Rita… Mas uma das que mais a influenciou foi a cantora Marisa Monte, com sua voz suave, uniforme e ao mesmo tempo bastante cheia e presente. Então ela resolveu prestar uma pequena homenagem à cantora interpretando alguns de seus grandes sucessos, tentando contemplar várias fases de sua carreira.

AIYÉ
Francisco Jonathan de Oliveira Rolim

Sinopse: Aiyé reúne num pequeno show inédito as composições de Johnny Rolim em seus estudos e criações a partir da cultura afro-brasileira. Dedicado ao universo dos orixás, a apresentação musical conta com a música vencedora de Festival de Música Afro Brasileira, Ogun de Caminho, além de composições inéditas dedicadas a Yemonja e Obaluaiyé. O músico Johnny Rolim traz em sua trajetória raízes profundas do Brasil que neste show reverenciam essa cultura ancestral em músicas que tanto contribuem para a preservação e releitura desse patrimônio.

Black eyes in the sunshine – Sólido e Líquido
Guilherme Sai (produtor e musicista), André Fernandes (musicista), Luara Vermieiro Patriarca (assistente) e Marcelo da Silva e Pedro Kramer (cinegrafistas)

Sinopse: A violência é sólida. Os atos violentos são sólidos, muito bem enraizados e profundos. Porém, para que a violência se espalhe com maior facilidade, ela se torna leve. Ela se dilui no todo, se torna rasa. Não à toa as fake news são organicamente um vírus. Assim trabalha uma parte da sociedade e da mídia; a parte supremacista, patriarcal e conservadora. Ela descaracteriza os fatos, interpreta ao seu bel prazer, omite e transmite verdades distorcidas. Confunde o povo. Culpa a vítima ao invés do agressor e transforma o menino assassinado pela polícia em traficante e a menina estuprada pelo tio em assassina. Com isso a violência vai perdendo seu peso, ela escapa por entre os dedos. Ela se torna líquida. Sólido e líquido tem como tema central expor como essa parcela da sociedade trata a violência como algo banal. Como essa parcela transforma atos tão terríveis como o racismo, a homofobia e o feminicídio, bem como tantos outros, em situaçòes comuns com o propósito de perpetuá-los por gerações. A apresentação é um manifesto musical. Um manifesto que se põe sólido em tempos tão fluídos. Um manifesto que explora as relações da sociedade e é formado por músicas plurais, concebidas não apenas para expor a violência mas principalmente para enaltecer a vitória sobre a intolerância. Dentro desse recorte Sólido e líquido traz cinco músicas que evidenciam e expõe tipos de violência recorrentes em nossa sociedade. Idealizado pelo artista multimeios Guilherme Sai, o projeto resultará em uma apresentação ao vivo gravada à noite, ao ar livre e obedecendo as recomendações de distanciamento e número de participantes.

Gu Vieira – Da sala um solo (voz e violão)
Gu Vieira

Sinopse: Pocket Show voz e violão do compositor Gu Vieira. Nesse repertório as músicas inéditas dialogam com o atual momento da arte como resistência e despertar na sociedade, através da poesia cantada, do ritmo, e da voz.

Construção do Ambiente Através do Áudio Binaural
Cretobag – Cleyton Leonardi

Sinopse: O áudio Binaural é um tipo de áudio que consiste na percepção tridimensional do ambiente. Em outras palavras, é possível determinar a direção da origem do mesmo. Dessa forma, a proposta desse projeto “Construção do Ambiente Através do Áudio Binaural” consiste na apresentação e discussão das possibilidades de construção de um ambiente, audiovisual, físico ou digital, que apresenta tais características que geram a espacialidade para uma determinada obra. Por fim espera-se trazer um exemplo de uso e como pode agregar dentro de uma situação específica. O ideal é que se utilize fones de ouvido para uma experiência sólida e completa.